A dimensão emocional das equipes

Em algum momento da vida, todos nós já tivemos a oportunidade de nos envolver com alguma equipe para trabalhar, e a partir deste trabalho reações fortes e frequentemente conflitantes podem surgir. A partir de experiências pessoais, muitos de nós já aprendemos que fazer parte de uma equipe pode causar em emoções bem distintas e extremas – atração e repulsão, gratidão ou frustação, por exemplo. É importante entender que nem tudo são flores numa equipe, e para que seu trabalho possa fluir em harmonia, descontentamentos, tensões e contradições vão acontecer.

Costumamos esperar que alguém assuma a liderança do grupo? Buscamos realmente a solução do problema enfrentado? De que maneira estamos dialogando uns como outros para enfrentar as crises? Essas perguntas nos levam a considerar a relevância da Dimensão Emocional das equipes no trabalho, entendendo se as pessoas estão preparadas para atuar com determinada situação ou com determinada pessoa. Você lembra, após a suposta fratura de Neymar no jogo contra a colombia, na copa do mundo de 2014, que os demais jogadores no jogo da semi-final, contra a Alemanha, iriam jogar por ele? Eu fico me perguntando: como os demais jogadores se empenharam por Neymar, e não pelos mais de 200 milhões de brasileiros? Qual o papel do Treinador (Felipão) nesta ocasião?

Uma situação realmente vexatória e demonstração clara de falta de estrutura emocional. Devemos investir em inteligência (emocional) para fazer com que as pessoas construam referenciais sólidos e não sejam superficiais em seus posicionamentos. Há uma história, um conto surfista, sobre um homem que, de repente, percebeu uma estranha ondulação sob um tapete. Ele tentou de tudo para aplaná-la, alisando-o, esfregando-o e até mesmo achatando-o, mas a ondulação continuou reaparecendo. Finalmente, depois de sentir-se frustrado e furioso, o homem levantou o tapete e, para a sua surpresa, deparou com uma cobra zangada. Essa história serve como metáfora ilustrativa da necessidade de encararmos os verdadeiros problemas, deixando as medidas superficiais de lado.

Quando se trata de emoção, não adianta fingir que está acontecendo ou tomar medidas superficiais: é necessário agir para que as equipes tenham amadurecida sua dimensão emocional em um mercado que está cada vez mais fragilizado.

Por Ricardo Verçoza – Professor, Administrador e futuro Jornalista.

@CapitaoCoragem

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s