A inovação e os “nem-nem”

 O professor americano Tony Wagner, da Universidade Harvard, lançou no ano passado o livro Creating Innovators (“Criando inovadores”, na tradução do inglês), no qual aponta o abismo que separa o modelo de ensino vigente nos Estados Unidos (e no mundo ocidental) do conhecimento que as empresas precisam para inovar.

Segundo o professor, uma educação voltada para a inovação precisa ser disseminada nas escolas e nos lares para que cidadãos cheguem ao mercado de trabalho com suas mentes preparadas para criar coisas diferentes. Na opinião de Tony, esse aprendizado deve ter início na infância para que na juventude floresçam adultos cheios de propósito.

Para o professor, existe uma abundância de conhecimento no mundo e saber apenas por saber importa pouco. Saber o que fazer com o conhecimento é o que vale muito. No atual mercado de trabalho, a capacidade de inventar e de resolver problemas de forma criativa é muito mais importante do que o conhecimento acadêmico.

A educação deixa o Brasil na lanterninha desta nova era. Aqui, predomina a chamada “geração nem-nem” — nem estuda nem trabalha nem procura emprego. Um mapeamento da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, de 2012, mostra que há 5,3 milhões de jovens de 15 a 29 anos que abandonaram a escola e consequentemente não conseguem um emprego. Um em cada cinco brasileiros de 18 a 25 anos encontra-se nessa situação. Recentemente, participei de uma reunião patrocinada pelo Banco Mundial em Brasília para discutir como levar educação de impacto para essas pessoas.

No evento, o que mais me marcou, negativamente, foi o depoimento de um graduado funcionário federal — “o problema é que em muitas cidades brasileiras o prefeito é corrupto e o secretário de Educação, analfabeto”. Saí desolado.  Experimente dividir seu conhecimento com quem precisa. Quem pertence ao PIB intelectual do Brasil tem essa missão. É uma experiência rica profissional e pessoalmente e um ótimo exercício de liderança. Por 20 anos, antes de tornar-me professor de MBA, lecionei voluntariamente em orfanatos, creches e asilos.

Ensine inovação e ajude a transformar o Brasil. Se o tempo estiver escasso, transforme a rede em escola. Torne-se um mestre voluntário digital. Separei mais 150 iniciativas globais de educação no slideshare.net/gilgiardelli. Confira lá e boas aulas.

Por Gil Giardelli escreve sobre inovação digital e é professor do Centro de Inovação e Criatividade da ESPM e da Miami Ad School. Também é presidente da Gaia Creative 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s