Oportunidades de aprendizado: desafios de uma mente em reinvenção

Venho desfrutando de uma sensação gostosa que me faz sentir que estou aproveitando mais os momentos, apesar da correria que a rotina aplica a minha pessoa. Passou-se a infância…passou-se a adolescência, tempo em que minha preocupação era com as notas, com a maneira como meu cabelo estava arrumado e com meu desempenho no voleibol.

A realidade presente, para muitos que estão no mesmo patamar que eu ou que em breve chegarão, é realmente dura. Mas por ser dura, nos deixa com total liberdade para escolher qual o posicionamento que teremos diante das coisas boas e das coisas nem tão boas assim, flexibilizando a maneira como compreendemos o viver. O desafio-aventura se apresenta a cada amanhecer e a cada momento que tenho que compartilhar com as pessoas, e seus trejeitos, uma parte do meu “eu”. Um fato inevitável….

Por vezes já imaginei se não seria melhor se a vida fosse simples e objetiva, e tão clara como uma folha de papel em branco (angústia até compreensível, mas totalmente sem sentido). Venho descobrindo que EU me faço no cotidiano, nas relações de aprendizagem pelos erros e acertos, pelos receios e ousadias divididas com os mais íntimos…pela capacidade infinita de amadurecer aos poucos em doses fracas ou em doses de rasgar a garganta.

Aprendo novos comportamentos, novas visões de mundo com todos que me cercam, sejam aqueles que se gabam por uma titulação, sejam aqueles que humildemente me confessam os sonhos e dificuldades. E essa é uma coisa que temos que fazer: refletir sobre o que é positivo e o que é negativo, buscar a referência com a qual nos identificamos e realizar as transformações que esta sociedade tanto necessita. Dia desses eu li um texto que dizia que a “cortesia” era um coisa rara de se ver hoje em dia.

É triste ver como o ser humano está sendo engolido por valores fúteis e não caracterizados de um sentimento de comunidade. Nossa vida é uma constante, uma variável invariável (sempre a nos surpreender) com oportunidades diversas e aprendizados contínuos. Queira ou não queira, você tem escolhas…Eu só te faço um pedido: “não fique em cima do muro”. Eu fiz e faço minhas escolhas…E sinto que elas buscam comungar com as várias histórias espalhadas pelo mundo.

Por Ricardo Verçoza

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s