Companhias vivem ‘apagão’ de líderes

O Brasil sofre hoje um “apagão de líderes”, afirmam nove dos dez especialistas consultados pela Folha.

Uma das principais razões é a economia aquecida. As empresas crescem e têm necessidade de mais gestores qualificados, afirma Gilberto Guimarães, coordenador de liderança da HSM Educação. Mas muitas corporações não se prepararam para esse cenário e deixaram de formar líderes internamente. Boa parte dos profissionais também não se ateve à capacitação em gestão -focou mais a formação técnica.

Para preencher essa lacuna, uma das soluções das empresas é acelerar a carreira de trabalhadores, promovendo-os a cargos de chefia. “As companhias buscam completar seus quadros diminuindo critérios de seleção”, enfatiza Norberto Chadad, diretor-presidente da consultoria Thomas Case. Valquíria Coelho, 34, gerente de RH da New Soft Intelligence, de TI, busca sete gestores há um ano.O problema de promovê-los é que, sem competências em gestão, esses profissionais duram pouco, e outros, com ainda menos experiência, são alçados a postos de liderança, dizem consultores.

“Fizemos mais de 30 processos, que param quando avaliamos o perfil comportamental”, afirma Coelho. O problema “impacta a empresa como rolo compressor”. “Os líderes de hoje não viveram círculos de sucesso e fracasso para transmiti-los, e isso não se aprende na faculdade”, afirma Fábio Saad, gerente sênior da Robert Half.

MAIS EXPERIENTES
Mesmo longe da rotina organizacional, a experiência de Celso Bazzola, 44, em postos de gestão o faz receber ao menos três propostas por mês para voltar a atuar, com salários até 40% maiores em relação ao que recebia antes. Há oito anos, ele deixou o mercado para tornar-se consultor. “Queria um trabalho mais flexível”, conta Bazzola, que tem curso superior em administração, pós em recursos humanos e experiência profissional de 21 anos.

Com a escassez de empregados aptos a ocupar postos de gestão, as empresas miram os mais experientes. A explicação, afirmam consultores, é que organizações perceberam que acelerar processos de crescimento de carreira nem sempre dá certo. “Vemos jovens assumindo altos cargos porque eram bons técnicos, mas ser gestor exige mais do que isso”, frisa Marisabel Ribeiro, líder da área de talentos da Mercer.

Fonte: Folha.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s